Charge e direitos humanos pelo prêmio VH

Autor:
Redação

Seção:
Noticiário geral

Publicado em:
12 de Outubro de 2022

Tempo de leitura:
5 minutos

Charge e direitos humanos pelo prêmio VH

Por: Redação

O Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos presta homenagem a jornalistas, repórteres fotográficos e artistas do traço que, por meio de seus trabalhos cotidianos, defendem a Democracia, a Paz, a Justiça e os Direitos Humanos.

Desde 1979 quando foi criado, o prêmio tem o duplo caráter de reverenciar a memória do Diretor de Jornalismo da TV Cultura, preso, torturado e assassinato no  DOI-CODI (Departamento de Operações Internas - Centro de Operações de Defesa Interna) do II Exército em 25 de outubro de 1975 e de repudiar o autoritarismo que sufocava a liberdade dos cidadãos. trata-se, portanto, de um prêmio de caráter político e antifascista que chega agora a sua 44ª edição em um momento que a democracia mais uma vez se encontra ameaçada e os direitos do cidadão aviltados.

Neste ano o Prêmio Vladimir Herzog recebeu 528 produções, em sete categorias: Arte, Fotografia, Texto, Vídeo, Áudio, Multimídía e Livro-reportagem.  Os concorrentes foram pré-selecionados dentre os inscritos por um júri composto por profissionais da área que selecionam três trabalhos para serem submetidos à  Comissão Organizadora que por sua vez escolhe o vencedor. A Revista Pirralha apresenta os 3 concorrentes selecionados na categoria arte que abrange Ilustrações, charges, cartuns, caricaturas e quadrinhos publicados em veículos impressos ou eletrônicos.

Vencedor: TRÊS MULHERES DA CRACO

Autoria: Carol Ito

Veículo: Revista Piauí

.........................

Menção Honrosa: PÓS-ESTUPRO

Autoria: Brum

Veículo: Jornal Tribuna do Norte

.........................
A SOMBRA DA MALDADE

Autoria: Nando Motta

Veículo: Brasil 247

"Hoje está tudo está meio confuso no jornalismo. Esta mistura de papel e visor de laptop & smartphones é uma mistura que tende a ser um atalho ao novo, mas atualmente não sei mais a diferença entre ser jornalista, chargista ou … “influencer”. Tenho uma grande curiosidade em saber quem desenha esses tais “memes”, quanto ganham, qual é a agência que os contrata e por que estes “influencers” são sempre convidados para eventos top enquanto aquele repórter – história ambulante do nosso jornalismo – precisa da "vaquinha da ABI" pra comprar medicamento. Resumo da prosa; por que existe grana para os projetos dos influencers e não tem verba para um evento significativo como o Prêmio Vladimir Herzog?"

Depoimento de Ykenga (chargista que integrou a comissão de seleção dos trabalhos da categoria arte).

Conheça os demais vencedores do prêmio

--------------------------------

O Prêmio Vladimir Herzog é organizado pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI); Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ; Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – ABRAJI; Sociedade Brasileira dos Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom; Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP; Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo; Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; Conectas Direitos Humanos; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB Nacional; Ordem dos Advogados do Brasil – Secção São Paulo, Periferia em Movimento e Instituto Vladimir Herzog.