A realidade da lava jato no Dia da Mentira

Autor:
Redação

Seção:
Noticiário geral

Publicado em:
31 de Março de 2022

Tempo de leitura:
6 minutos

A realidade da lava jato no Dia da Mentira

Por: Redação

Vários chargistas se reuniram para preparar um flashmob (uma ação combinada onde todos atuam ao mesmo tempo) marcado para às 18 horas do dia 1º de abril usando o humor gráfico como meio para reconhecer a importância de Walter Delgatti - que ficou conhecido como o "hacker de Araraquara" - no processo de restabelecimento da verdade sobre a ação mafiosa de Sergio Moro e dos procuradores da força tarefa que, além de organizar toda a perseguição política ao ex-presidente Lula e ao Partido dos Trabalhadores, foram responsáveis pela eleição de Jair Bolsonaro (ao encarcerar Lula que era o franco favorito à eleição), praticamente destruir toda a cadeia produtiva da engenharia nacional ao inviabilizar o funcionamento das grandes empresas do setor (que disputavam o mercado internacional) e causar desemprego em massa e prejuízos econômicos.

Os desenhos servem como um verdadeiro desagravo ao cidadão Delgatti que, segundo o senador Renan Calheiros (MDB-AL), foi a pessoa que "denunciou as delinquências da Lava Jato, mudou a história do país. Ele possibilitou as punições, ainda brandas, que estamos vendo e mostrou quem era Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e sua turma". Além de reconhecer publicamente a importância de Delgatti, o senador apresentou um projeto para anistiá-lo das ações que correm contra ele na justiça o qual conta com o apoio dos participantes.

A ideia do movimento foi de Eduardo Londrina, organizador da rede social POSTe que uniu-se a Revista Pirralha, a Grafistas Associados do Rio Grande do Sul (Grafar), Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo (AQC-ESP), Coletivo Pavio Curto, a revista digital Duas Bandas e um Conjuntinho e dezenas de chargistas independentes para aproveitar o dia 1º de abril, Dia da Mentira, e desmascarar toda a lorota contada sobre a Operação Lava Jato.

Para esclarecer o público sobre o objetivo do movimento as entidades organizadoras elaboraram um manifesto a ser divulgado conjuntamente com as obras que serão compartilhadas nas redes sociais com as tags #WalterDelgattiAnistiaJá, #AnistiemWalterDelgatti e #MoroDalagnolNaCadeia.

Manifesto de 1º de abril

Hoje é primeiro de abril, conhecido como o dia da mentira. Escolhemos este dia para lançar este manifesto porque não dá mais para aceitar  esta ''Era da pós-verdade", quando a desonestidade e enganação sejam normalizadas na vida contemporânea, e a verdade, a realidade pouco importam.

Embora sempre tenha havido mentirosos, as mentiras geralmente eram contadas com hesitação, uma pitada de ansiedade, um bocado de culpa, um pouco de vergonha, e, pelo menos, alguma timidez.

Agora, assistimos criminosos  sem nenhuma vergonha, mentindo descaradamente, enquanto pessoas que nos mostraram a verdade e a realidade estão atrás das grades, impedidas de falar.  No caso de Assange, nem no dia de seu casamento pudemos ver uma foto sequer do estado em que ele se encontra, nas masmorras da rainha.

Snowden teve que se exilar na Rússia para não cair nas mesmas masmorras em que caíram Assange, Chelsea Manning - e Walter Delgatti, aqui em nosso país.

Para restabelecermos a verdade, é urgente que seja concedida a anistia a Walter Delgatti. Ele foi o hacker que denunciou as delinquências da Lava Jato, mudou a história do país,  possibilitou as punições ainda brandas que estamos vendo e mostrou quem são Sergio Moro, Deltan Dallagnol e sua turma.

Não fosse Walter,  Lula  e qualquer outro que ousasse ir contra o projeto criminoso da quadrilha de Curitiba estariam presos, os lavajateiros estariam bilionários e líderes nas pesquisas pra todos os cargos que quisessem,  ainda posando de heróis.

É hora de retomar o projeto que o senador Renan Calheiros apresentou para anistiá-lo, é hora do povo brasileiro ter acesso à íntegra da Operação Spoofing - é importante para mostrar como funcionavam as articulações da Lava Jato e da força-tarefa com Moro.  E passou da hora de Moro, Dalagnol e seus comparsas do judiciário estarem atrás das grades.

Subscrevem este manifesto os cartunistas da Grafar (Grafistas Associados do Rio Grande do Sul),  a AQC - Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo, a revista Pirralha, o grupo POSTe, revista digital Duas Bandas e Um Conjuntinho, Coletivo Pavio Curto e artistas independentes.

O POSTe (veja no Facebook) é um grupo público - inspirado no costume de pendurar informações nos postes para que a população pudesse ter acesso - criado por Eduardo Londrina onde qualquer pessoa pode participar e deixar seu recado.

As charges criadas pelos artistas da Revista Pirralha para o "flashmob" estão na Galeria.

-----------------------

Foto de abertura: montagem feita por Guto Camargo a partir de fotograma retirado de entrevista concedida por Walter Delgatti ao portal Brasil 247